quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Sporting continua a trilhar o seu caminho


Muita garra, muita luta, muita vontade, mas não foi um grande clássico no que diz respeito à qualidade do futebol praticado por ambas as equipas. Pouca emoção derivada à falta de oportunidades claras de golos, salvo duas ou três ocasiões em que a bola esteve perto de entrar nas duas balizas.

Ridículas as palavras de Hulk e mais tarde do seu treinador no final do jogo, ao referirem-se ao trabalho do árbitro, que fez quanto a mim uma excelente arbitragem. No deve e no haver, os leões teriam até mais razões para se queixar. Errar todos erram, e neste caso os erros foram perfeitamente compreensíveis e toleráveis, tendo em conta a dimensão e intensidade desta partida.

Patrício - Decisivo mais uma vez quando teve que intervir em duas ou três ocasiões em que o golo rondou a nossa baliza. Está quanto a mim a fazer a sua melhor época de sempre.

João Pereira - "Enorme" este pequeno e "eléctrico" jogador, que passa o jogo todo "ligado à ficha", jogando sempre a uma intensidade elevadíssima. Melhor na 2ª parte, do que na primeira, mas sem nunca tirar o pé do acelerador. Álvaro Pereira quase não se viu, e isso deve-se a ele.

Insúa - Impressionante a sua capacidade física, pois fez mais uma vez, todo o corredor esquerdo defendendo bem e atacando ainda melhor. Não pode contar neste jogo com um Capel muito inspirado, se não o Porto teria tido muito mais problemas naquele corredor. Como é possível não jogar no Liverpool!

Polga - Mais uma vez esteve impecável, acusando apenas algumas dificuldades quando Hulk lhe aparecia em situações de 1x1. Mas quem não sente essas dificuldades com Hulk? Para quem o dava como quase acabado, ele tem dado uma excelente resposta, e como seria se não estivesse no plantel, perante o panorama de lesões na zona central da defesa. É um Senhor!

Onyewu - Quem o criticou no início de época, estará com certeza agora a engolir alguns "sapos". É rei e senhor de todo o sector defensivo, aparecendo em todo lado, "qual bombeiro", com uma disponibilidade física impressionante, dando uma segurança no jogo aéreo, como há muito não via no meu Sporting. Para além disso, sempre que pode sobe no terreno, visando a baliza, tendo já apontado 2 golos decisivos esta época. Toda a gente estará à espera que BIG AMERICAN WALL falhe clamorosamente, felizmente o americano tem adiado esse momento.

Renato Neto - Estreia inesperada ou não, do médio proveniente do Cercle Bruge, onde estava por empréstimo, agora regressando a casa, e logo com esta estreia, num jogo deste calibre. Só por isso, já deveremos das o benefício da dúvida a este jogador. Mas Domingo não é louco, e quanto a mim optou por apostar num jogador, que mostra ser forte nos duelos a meio campo, impondo o físico, um pouco à semelhança de Luís Vidigal, com a vantagem de possuir atributos técnicos superiores e uma capacidade de reter a bola digna de registo. Fiquei com boa impressão deste jovem.

Schaars - Não fez um jogo muito conseguido, mas o próprio também explicou que jogou quase uma hora com dores, sacrificando-se em prol da equipa, o que pode explicar um pouco o seu apagamento durante largo período da partida. É talvez aquele jogador que mais precise da recuperação urgente de Rinaudo, para se poder soltar mais para tarefas não tão defensivas. É para mim claramente, o cérebro da equipa.

Elias - O cartão amarelo visto precocemente, não ajudou em nada a sua exibição, e fez com que baixasse um pouco a sua habitual intensidade na disputa dos lances e na pressão alta exercida pela equipa. Mas conseguiu aguentar-se bem, acabando por fazer uma exibição bastante aceitável.

Carrillo - Continuo a gostar mais de ver Carrillo entrar a meio do jogo, do que vê-lo logo de início. De qualquer forma causou algumas perturbações na defensiva portista, não podendo no entanto contar muito com o habitual apoio ofensivo de J.Pereira, que ficou um pouco retraído pela presença de Rodriguez no seu corredor, que não lhe deu um minuto de descanso. Para além disso teve pela frente um dos melhores laterais a jogar no nosso país, Álvaro Pereira. A meu ver, um dos problemas do Sporting, esteve precisamente na dificuldade em entrar pelos corredores. O Porto sabia que o perigo poderia vir daí.

Capel - Foi talvez o jogo menos conseguido do espanhol, desde que chegou ao Sporting. Há dias assim, e neste jogo, quase nada lhe saiu bem, e não foi tanto pela presença de Maicon, mas mais por falta de inspiração do extremo espanhol.

Wolfswinkel - Teve nos pés o golo que poderia ter dado a vitória, num lance que ele parecia não ter controlado, mas que com um rápido movimento quase fazia golo, valeu Helton ao FCP. São estes jogos que podem fazer este promissor avançado holandês crescer, pois neste jogo apesar do esforço, com constantes movimentações, foi muito poucas vezes servido em boas condições pelos colegas.

Izmailov regressou, mostrou raça e a qualidade que todos lhe reconhecemos, quase faz o golo na melhor oportunidade do SCP em todo o jogo, e acabou em sofrimento com mais uma lesão, agora muscular. Que mais irá acontecer ao russo? Enfim...

Não gostei da entrada em campo de Matias, muito lento, pouco disponível para pressionar o adversário, coincidindo esse período com o melhor momento do Porto, período onde poderíamos ter perdido o jogo. A substituição de Capel por Evaldo, é muito bem vista. Evaldo deu maior acutilância e segurança naquele corredor para onde descaiu Hulk, previsivelmente depois da entrada de Kléber. Esteve bem o luso-brasileiro.

Em suma, perdeu-se uma oportunidade para alcançar os azúis e não deixar as galinhas cantar de galo, num poleiro mais alto.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Época 2017-2018 | Jogo de Apresentação

Depois do Estágio na Suíça, onde as coisas correram dentro daquilo que é normal nesta altura, embora hajam sempre adeptos mais impacientes ...