1ª LIGA: Quando o nº 13 foi sinal de mudança e não azar


Ontem, Domingo dia 13 de Janeiro de 2013, no dia da estreia de Miguel Lopes com o dorsal nº 13, o Sporting não só regressou ás vitórias fora de casa, como matou um borrego que durava desde os anos 70, pois os leões não ganhavam ao Olhanense em Olhão para o Campeonato, desde 23 de Dezembro de 1973, quando venceram por 1:3. Curioso... Mais ainda quando o Sporting no final do jogo somou 13 golos marcados na competição.

Curiosidades à parte, vamos ao jogo. E o Sporting deixou nesta partida excelentes indicações de que a vitória frente ao Paços deu outra confiança à equipa, bem como o "dedo" do Mestre Jesualdo Ferreira.

Jogaram ainda: Carrillo, Zezinho e Eric Dier
Nota-se claramente que se respira outro ar dentro da equipa leonina, com os jogadores a parecerem mais "soltos", ao qual também não foi alheio o golo madrugador de Labyad, que fez a sua melhor exibição desde que chegou a Alvalade. Jesualdo colocou três homens a jogar nas costas de Wolfswinkel dando-lhes liberdade para trocar de posições, mas sem esquecerem as devidas compensações, apoiados por dois médios de características mais defensivas, com Adrien e Rinaudo mais em contenção e concentrados na recuperação. Um 4-2-3-1 muito parecido com o curto período que José Couceiro esteve no Sporting, e que também permitiu ao Sporting fazer excelente recuperação e ainda ultrapassar o Braga no 3º lugar, na última jornada do campeonato, embora essa missão esteja muito mais complicada neste momento.

Até Jeffren que tem sido uma nulidade nos últimos jogos, deu uma ar da sua graça, parecendo muito mais confiante nas suas qualidades, pois trata-se de um jogador tecnicamente dotado. Por vezes todos nó adeptos nos esquecemos que este plantel do Sporting tem muita qualidade, mas é também ele muito jovem,  e estes "miúdos" sentiram muito o peso da pressão exercida sobre o Sporting e a exigência de lutar por títulos, com os resultados a não aparecerem de maneira nenhuma, umas vezes por pura incompetência e falta de atitude, outras também por manifesto azar. O internacional sub20 marroquino Zakaria Labyad mostrou já um pouco daquilo que pode fazer e que todos nós esperamos dele, mas há que por a mão na consciência e perceber que tal como Carrillo, Labyad é um jovem jogador estrangeiro que se mudou para um país de cultura e costumes completamente diferentes ao que estavam habituados. Temos que dar tempo para eles crescerem e não exigir demasiado, comprometendo o seu futuro no clube, e acabando depois por vermos estes jovens brilhar mais tarde em outras paragens.

Fui um dos que criticou a troca de Izmailov por Miguel Lopes, mas não pude ficar indiferente ao facto deste jovem oriundo da formação do Rio Ave, afirmar e comprovar dentro de campo que tem coração de leão. Inicialmente vi a sua declaração de que era sportinguista desde pequeno como palavras de circunstância, mas depois de ver a sua exibição e ter ouvido o seu irmão gémeo comprovar o facto de serem ambos sportinguistas, só tenho que acreditar, dando o benefício da dúvida a este jovem, que por sinal é internacional português. Vamos aguardar...

 Para já duas vitórias, vêm aí dois jogos em casa com Beira-mar e Guimarães, e o Sporting tem aqui uma excelente oportunidade para ganhar uma embalagem que lhe permita ainda chegar a um lugar condizente com o prestígio do clube.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Algo de inimaginável há 3 anos atrás

MERCENÁRIOS, é a palavra acertada